Nota

O que é Depressão? A depressão não é apenas

O que é Depressão? 

A depressão não é apenas uma sensação de tristeza, de fraqueza ou de “baixo astral”. É muito mais do que se sentir triste ou ficar de luto após uma perda, por exemplo.

A depressão é uma doença de corpo como um todo (tanto como hipertensão arterial, a diabetes ou as doenças cardíacas) que afeta o humor, os pensamentos, a saúde e o comportamento.

Estima-se que 10% da população mundial sofram de uma doença depressiva em algum período de sua vida. 

O quadro clínico da depressão pode apresentar os seguintes sintomas: 

 Tristeza persistente, ansiedade ou sensação de vazio;
 Sentimentos de culpa, inutilidade e desamparo;
 Insônia terminal (ocorre o despertar 3 a 4 horas da manhã) ou excesso de sono;
 Perda de apetite e do peso, ou aumento do apetite e ganho de peso;
 Fadiga e sensação de desânimo;
 Irritabilidade e inquietação;
 Dificuldade para concentrar-se e recordar;
 Dificuldades em tomar decisões;
 Sentimentos de desesperança e pessimismo;
 Ideias ou tentativas de suicídio;
 Dores crônicas que não correspondem aos tratamentos convencionais;
 Perda de interesses por atividades que anteriormente despertavam prazer, incluindo-se atividades profissionais, sexuais ou mesmo lazer.

Por que a Depressão ocorre? 

A depressão é consequência de um desequilíbrio de substâncias cerebrais chamadas neurotransmissores, que são fundamentais na regulação do humor. 

Em algumas famílias a depressão costuma ocorrer de geração em geração. Entretanto, pode, por vezes, manifestar-se em indivíduos que não possuem história de depressão familiar. Herdada ou não, a depressão maior está associada à redução ou ao excesso de certas substâncias neuroquímicas (neurotransmissores). 

A personalidade (constituição psicológica) também desempenha papel na vulnerabilidade à depressão. Pessoas com baixa autoestima que se vêem sistematicamente com pessimismo, ou que se deixam facilmente abater pelo estresse, são mais predispostas à depressão. Fatores externos (ambientais) como dificuldades financeiras, doença crônica, ou qualquer alteração indesejada na vida também podem desencadear um episódio depressivo. 

Assim, conclui-se que, com frequência, a combinação de fatores genéticos, psicológicos e ambientais está presente no aparecimento da doença depressiva. 

Existe tratamento para Depressão? 

Mais de 85% das pessoas que sofrem de depressão podem ser ajudadas através de tratamentos adequados. Quando bem aplicados, eles reduzem a dor, o sofrimento e eliminam os sintomas causados pela depressão, permitindo que o paciente volte à vida normal. A precocidade do tratamento é fundamental para o sucesso terapêutico. 

Existem vários tratamentos disponíveis para a depressão. Os mais adequados deles deverão dar conta de todos os fatores envolvidos no desenvolvimento do problema. Assim, o primeiro passo de qualquer tratamento será o restabelecimento do equilíbrio bioquímico dos neurotransmissores cerebrais envolvidos na regulação do humor. Para este aspecto faz-se necessário o uso de medicamentos que possam fazer o restabelecimento deste equilíbrio. 

O segundo e talvez o mais importante passo no sucesso do tratamento a longo prazo, trata-se de uma abordagem psicoterápica que conscientize o paciente sobre a necessidade de reestruturar sua maneira de viver e principalmente de lidar com os problemas de maneira menos desgastantes. 

O terceiro passo visa introduzir na vida do paciente hábitos e/ou técnicas que fazem o equilíbrio físico e mental tais como a ioga, meditação, prática de exercícios físicos, técnicas de relaxamento e alimentação mais saudável, rica em substâncias que ajudem na manutenção do equilíbrio do corpo. 

Um tratamento que cumpra todas essas etapas tem por objetivo não somente o restabelecimento do quadro depressivo, mas principalmente a conquista de uma melhor qualidade de vida. 

A ajuda de amigos e parentes é importante? 

A ajuda de parentes e amigos é fundamental para o paciente com depressão, uma vez que o desânimo e a desesperança, muitas vezes, o impedem de procurar ajuda especializada. Desta forma, a coisa mais importante que alguém pode fazer por uma pessoa deprimida é ajudá-la a se submeter a um diagnóstico e a um tratamento adequado. Outro aspecto muito útil é reafirmar para o paciente que com o tempo e ajuda ele se sentirá bem melhor.

Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva

Médica graduada pela UERJ com pós-graduação em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora Honoris Causa pela UniFMU (SP) e Presidente da AEDDA – Associação dos Estudos do Distúrbio do Déficit de Atenção (SP). Diretora da clínica Medicina do Comportamento (RJ), onde faz atendimento aos pacientes e supervisão dos profissionais de sua equipe. Escritora, realiza palestras, conferências, consultorias e entrevistas nos diversos meios de comunicação, sobre variados temas do comportamento humano.

Livros Publicados: 
 Mentes Inquietas – TDAH: Desatenção, hiperatividade e impulsividade [Publicação revista e ampliada]
 Mentes e Manias: TOC: Transtorno Obsessivo-compulsivo [Publicação revista e ampliada]
 Sorria, você está sendo filmado (em parceria com o publicitário Eduardo Mello) 
 Mentes Insaciáveis: Anorexia, bulimia e compulsão alimentar
 Mentes Perigosas: O psicopata mora ao lado
 Bullying: Mentes perigosas nas escolas 
 Mundo Singular: Entenda o autismo 
 Corações Descontrolados: Ciúmes, raiva e impulsividade 

E-mail: anabeatriz@medicinadocomportamento.com.br

 

Anúncios