04.06.2013: E AÍ, SENHOR JUIZ DE DIREITO RAIMUNDO CÉSAR FERREIRA DA COSTA, ONDE ESTÁ MEU DINHEIRO?

04.06.2013: E AÍ, SENHOR JUIZ DE DIREITO RAIMUNDO CÉSAR FERREIRA DA COSTA, ONDE ESTÁ MEU DINHEIRO?.

Anúncios

04.06.2013: E AÍ, SENHOR JUIZ DE DIREITO RAIMUNDO CÉSAR FERREIRA DA COSTA, ONDE ESTÁ MEU DINHEIRO?

04.06.2013: PROCURADOR DÁ PARECER FAVORÁVEL AO DESBLOQUEIO DE BENS DE DUDA E SÓCIA. DUDA SOU DE SALVADOR E ESTOU DESDE FEVEREIRO DE 2012 COM MEU SALÁRIO DE R$ 856.00 POR UM MAGISTRADO DE SALVADOR. AJUDE-ME. EU SOU POBRE! E É SALÁRIO DO INSS.

Imagem

 

09/03/2013 09h33 – Atualizado em 09/03/2013 09h35

Parecer contra desbloqueio de bens de Duda ‘beira o absurdo’, diz defesa

Decisão sobre liberação de bens será tomada pelo presidente do STF.
Publicitário e sócia foram absolvidos no julgamento do mensalão.

A defesa do publicitário Duda Mendonça e da sócia dele, Zilmar Fernandes, enviou uma petição ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, na qual critica parecer da Procuradoria-Geral da República contrário ao desbloqueio dos bens de ambos, absolvidos durante o julgamento do processo do mensalão no ano passado.

Em outubro, o plenário do Supremo concluiu que os dois réus eram inocentes das acusações. Na proclamação do resultado do julgamento, entretanto, os magistrados não se posicionaram sobre os bens bloqueados.

O documento afirma que a posição do Ministério Público Federal de opinar pela não liberação é um “contrassenso que beira o absurdo”.

A petição foi protocolada no Supremo na noite desta sexta (8), um dia depois de o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ter afirmado ser contra a liberação do patrimônio, bloqueado em 2006, após o oferecimento da denúncia do processo do mensalão.

No entendimento de Gurgel, deve ser mantido o bloqueio até o trânsito em julgado do processo, quando não houver mais possibilidades de recurso. Isso porque, segundo o procurador, há possibilidade, ainda que “remota”, de a decisão pela absolvição mudar.

O pedido de desbloqueio foi feito pela defesa em janeiro. A decisão será tomada porJoaquim Barbosa, relator do processo do mensalão.

A petição assinada pelos advogados Antônio Carlos de Almeida Castro e Luciano Feldens diz que não se pode manter os bens bloqueados, uma vez que os publicitários foram absolvidos pelo plenário do Supremo.

“Conforme bem sabido, os requerentes foram absolvidos de todas as imputações constantes das denúncias, em única e última instância, o plenário do Supremo Tribunal Federal. Se está distante de uma inequívoca e expressa declaração de inocência”, diz a petição.

Para a defesa, ao afirmar que há possibilidade de mudança da decisão, o procurador “ultraja o Código de Processo Penal e vilipendia a Carta Republicana”. Segundo o pedido dos advogados, foram revogados dispositivos do código que condicionavam a restituição dos bens ao trânsito em julgado.

“Absolutamente equivocado, portanto, o raciocínio do procurador-geral da República. […] O procurador, nesse raciocínio, ofende a um só tempo a presunção de inocência, o direito à liberdade, o devido processo legal e, obviamente, a própria democracia. Trata-se de um contrassenso que beira o absurdo, um raciocício torto”, diz o documento.

Perguntado nesta semana se iria recorrer da decisão da condenação de Duda Mendonça, o procurador-geral afirmou que não sabe se vai questionar. Ao término do julgamento do mensalão no fim do ano passado, Gurgel disse que não recorreria das decisões tomadas pelo plenário.

“Eu não sei se irei recorrer, vai depender do acórdão [documento que resume o julgamento, a ser publicado até abril]”, disse.