Política Juristas analisam proposta de Dilma sobre plebiscito para reforma política

Política Juristas analisam proposta de Dilma sobre plebiscito para reforma política.

Anúncios

Política Juristas analisam proposta de Dilma sobre plebiscito para reforma política

Presidente Dilma propôs consulta popular para reforma do sistema político. Especialistas debatem o que é mais adequado: referendo ou plebiscito.26/06/2013 21h06 – Atualizado em 26/06/2013 21h41

 
Do Jornal Nacional
 

A proposta do governo de realizar um plebiscito para questionar a população sobre a reforma política, sugerida pela presidente Dilma Rousseff na segunda-feira (24), gerou debate entre os juristas. Nesta quarta (26), o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou que a preferência do governo é pelo plebiscito, em vez de um referendo.

Segundo especialistas ouvidos pelo Jornal Nacional , uma reforma política pode mexer em várias leis do país, entre elas, a Constituição. É o Congresso quem vai decidir quais leis serão discutidas e quais propostas de mudanças serão levadas para a população opinar.

Mas há divergências. Uma delas é com relação ao tempo. Isso porque, para que seja realizada a consulta popular em tempo de aprovar uma reforma política válida para as eleições de 2014, como quer o governo, segundo o professor da UFRJ José Ribas, todo o processo teria que terminar até 3 de outubro.

“O meu maior temor é que o que está se prevendo que esse plebiscito dar-se-ia até o final de agosto. Então até o final de agosto a gente teria esse plebiscito. Então depois do mês de setembro para encaminharmos uma emenda constitucional no Congresso Nacional, porque vai ter que se respeitar o princípio da anualidade. Qual o princípio da anualidade? Qualquer mudança no processo eleitoral tem que respeitar o prazo de 1 ano”, explica.

Há também opiniões diferentes sobre outros temas, por exemplo, sobre como convocar o plebiscito. “Tanto o plebiscito quanto o referendo eles são convocados por um terço de uma das casas do Congresso”, avalia Ribas.

Para o jurista Ives Gandra Martins, teria de ser por proposta de emenda constitucional. “A Constituição no seu artigo 14 declarou que o plebiscito só pode ser convocado pelo Congresso Nacional através de lei, o que vale dizer, lei ordinária. Um plebiscito para mudar a Constituição só pode ser através de emenda constitucional.”

Outra divergência é sobre se o resultado do plebiscito teria de ser seguido obrigatoriamente pelo Congresso Nacional. “Há quem entenda que o resultado é obrigatório. Mas a maioria entende que não. Na verdade, é uma consulta. Se realizado o plebiscito, eu fico sabendo que o povo prefere isso. Mas isso não obriga o Congresso a legislar naquele sentido. Outros entendem que obriga, senão seria inútil a realização do plebiscito. Dentro da coerência, da lógica, então se conclui que o resultado do plebiscito é obrigatório, entretanto, isso não é claro na Constituição”, afirma o jurista Dalmo de Abreu Dallari.

Conforme o constitucionalista Roberto Dias, professor da PUC-SP, “não há uma definição sobre isso explicitamente na Constituição ou na lei”. “Isso é uma interpretação que eu faço sobre o resultado do plebiscito. Ou seja, feito o plebiscito, deve-se acolher a vontade da população”, considera.

Já o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Brito, afirma que é preciso ter muito cuidado na elaboração das perguntas que a população vai responder no plebiscito. “De ordinário, o plebiscito implica perguntas mutuamente excludentes. Exemplo: você é a favor do desarmamento ou contra o desarmamento. Você é a favor do financiamento público de campanha totalmente ou não é a favor do financiamento público de campanha totalmente”, explica.

Segundo o ministro, são opções mutuamente excludentes e é preciso que a pergunta seja “muito clara, claríssima”. “São perguntas sobre vida vivida experimentada pelo povo e não pergunta teóricas correspondentes a uma vida pensada, a uma vida conceituada. É preciso ter muito cuidado com a pergunta que se faz num plebiscito. Ela tem que ter a claridade do sol nordestino a pino”, conclui.

Para o professor de Direito Constitucional da FGV-SP Oscar Vilhena, o plebiscito não seria a melhor opção. “Me parece que não é o instrumento mais adequado porque a reforma política ela tem muitas questões a serem decididas. Então teria que fazer uma cédula de votação, no caso eletrônica, com dezenas de questões. O instrumento mais adequado seria o referendo. O Congresso assume a responsabilidade de fazer a melhor reforma política. E depois submete à população. Caso ele não tenha feito uma reforma que atenda à população, a população irá declarar a sua inadequação, isso vai ser em alguma medida um ‘não’ rotundo ao ato do Congresso”, finaliza.

http://m.g1.globo.com/politica/noticia/2013/06/juristas-analisam-proposta-de-dilma-sobre-plebiscito-para-reforma-politica.html