PASSOS SONÂMBULOS

PASSOS SONÂMBULOS

Os protestos de junho sugeriram que o tal “gigante” tinha acordado pra valer – mas parece que ele já voltou

 EU MORO EM UM PAÍS DESIGUAL, ABENÇOADO POR Deus e corrupto por natureza. Um país que possui uma das cargas tributárias mais altas do mundo, ao mesmo tempo em que detém o recorde mundial de menor retorno de impostos à população. Portanto, eu sou a favor de todo e qualquer protesto. E eles aconteceram maciçamente no ano passado por todo o Brasil, mas daí a dizer que “o gigante acordou” é exagero.

Outras metáforas explicam melhor o que aconteceu em 2013. Eu diria que o gigante sofreu com um desses distúrbios do sono, como a apneia, por exemplo. Ele teria despertado de sopetão no meio da noite, engasgado com o mundo de absurdos que teve de engolir. De repente, esse gigante acendeu o abajurzinho e, desorientado de tanto sono, não soube exatamente porque acordara. Assaltou a geladeira, mesmo sabendo que no dia seguinte chamariam aquele ato de vandalismo caseiro, mas não era só fome o problema dele. Bebeu água, mas não era só sede, depois pensou em se aliviar no banheiro, pensou no aumento de R$ 0,20 na tarifa do transporte coletivo, mas também percebeu que não era nada disso. Enfim, quando o gigante decidiu voltar para o quarto, bateu o dedinho do pé esquerdo contra a extrema direita da cama.

Assim que a dor aguda do choque diminui, o gigante se deitou, abraçou o ursinho de pelúcia e pensou que até mesmo acordar o ursinho de pelúcia e tem um preço alto. Foi uma gigantesca lição antes de voltar a dormir e sonhar com um país melhor, abençoado por Deus e bonito por natureza.

Rolling Stone de janeiro de 2014, página 33

Anúncios